11.1.08
breve história do narval.
Narvais.
Fotografia: © Flip Nicklin / National Geographic.




Um Narval de dente duplo.
Fotografia: © DR.





Narval macho ou unicórnio (Monodon monoceros) e baleia da Gronelândia (Somniosus microcephalus) In An account of the Arctic regions with a history and description of the northern whale-fishery, por William Scoresby. 1820. P. 588, Vol. II. Plate XV.




A lenda Inuit diz-nos que o Narval apareceu quando uma mulher, armada com um arpão, caiu nas águas geladas e foi devorada por uma Beluga. O dente do Narval só existe nos machos. Ninguém sabe o que significa a esgrima que fazem à tona da água. Se são saudações, se são duelos, se são limpezas de sujidades no extremo do dente. Ninguém sabe. Os Vikings criam que o dente do Narval era um unicórnio, repleto de poderes mágicos. Diziam até que um copo feito de dente de Narval era imune a qualquer veneno. O preço em ouro de cada dente era dez vezes mais que o peso do Narval. Alguns dentes custavam mais que castelos. Só os Inuits, gente que depende da caça para viver, é que podem caçar Narvais. Fazem-no durante os degelos, algures entre a baía de Baffin e o Estreito de Davis.

referência: http://www.nationalgeographic.pt/articulo.jsp?id=1367058
 
posted by Eduardo Brito at 20:20 | Permalink |


0 Comments:


eXTReMe Tracker