28.1.08
fantásticos espaços do círculo: ilha da rainha.
Monte Hatteras, na Ilha da Rainha, a 12 de Julho de 1861. Ilustração de Riou.


Ilha próxima do Pólo Norte, situada a 86º, 59’15’’ N de latitude. Foi descoberta pelo Capitão John Hatteras, comandante do navio Forward, de Liverpool, Inglaterra, que lá chegou pela primeira vez a 11 de Julho de 1861 com quatro companheiros. A Ilha da Rainha está coberta de resíduos vulcânicos, carece de vegetação e tem um vulcão activo, considerado o autêntico Pólo Norte.
Na companhia do seu cão Duck, o Capitão Hatteras chegou ao cimo do vulcão a 12 de Julho de 1861, içou uma bandeira inglesa e, ali mesmo, ficou senil. De regresso a Liverpool, foi internado no manicómio de Sten-Cottage. Os médicos concluíram que perdera a faculdade de falar bem como observaram que sempre que caminhava, Hatteras rumava a Norte.
O vulcão foi baptizado com o nome de Monte Hatteras. Nele se deixou uma placa comemorativa, com a inscrição “John Hatteras, 1861”. Para mais informações, o viajante poderá consultar The English at The North Pole, do Dr. Clawbonny, obra publicada pela Royal Geographic Society em 1862.
(Júlio Verne in As Aventuras do Capitão Hatteras, 1866)

in Breve Guía de Lugares Imaginarios, de Alberto Manguel e Gianni Guadalupi, Ed. Gran Bolsillo, Alianza Editorial, 1980, página 510.
 
posted by Eduardo Brito at 15:11 | Permalink | 0 comments
11.1.08
breve história do narval.
Narvais.
Fotografia: © Flip Nicklin / National Geographic.




Um Narval de dente duplo.
Fotografia: © DR.





Narval macho ou unicórnio (Monodon monoceros) e baleia da Gronelândia (Somniosus microcephalus) In An account of the Arctic regions with a history and description of the northern whale-fishery, por William Scoresby. 1820. P. 588, Vol. II. Plate XV.




A lenda Inuit diz-nos que o Narval apareceu quando uma mulher, armada com um arpão, caiu nas águas geladas e foi devorada por uma Beluga. O dente do Narval só existe nos machos. Ninguém sabe o que significa a esgrima que fazem à tona da água. Se são saudações, se são duelos, se são limpezas de sujidades no extremo do dente. Ninguém sabe. Os Vikings criam que o dente do Narval era um unicórnio, repleto de poderes mágicos. Diziam até que um copo feito de dente de Narval era imune a qualquer veneno. O preço em ouro de cada dente era dez vezes mais que o peso do Narval. Alguns dentes custavam mais que castelos. Só os Inuits, gente que depende da caça para viver, é que podem caçar Narvais. Fazem-no durante os degelos, algures entre a baía de Baffin e o Estreito de Davis.

referência: http://www.nationalgeographic.pt/articulo.jsp?id=1367058
 
posted by Eduardo Brito at 20:20 | Permalink | 0 comments
3.1.08
ciclo de filmes do círculo: the savage innocents.
The Savage Innocents, Nicholas Ray, EUA, 1961, 110 minutos.
A partir de Top of The World, de Hans Ruesch.*



* No Telhado do Mundo, Ed. Empresa Nacional de Publicidade, 1958.
 
posted by Eduardo Brito at 15:25 | Permalink | 0 comments
eXTReMe Tracker