28.6.07
as três cartas.
A carta de Barents, escrita em mil quinhentos e noventa e sete e encontrada na casa de Ice Haven, em mil oitocentos e setenta e um, por Elling Carlsen. Actualmente, encontra-se no Rijksmuseum de Amsterdão.


Em Junho de mil quinhentos e noventa e sete a frota de Willem Barents está pronta para partir de Ice Haven, Nova Zemlya, rumo a casa. O grande navegador escreve três cartas onde conta: como ali chegou vindo da Holanda, rumo ao reino da China, o que aconteceu à sua frota para ter de invernar ali durante dez meses, tendo que construir, em extremas condições de pobreza e miséria, uma casa de madeira, e como agora tinha finalmente chegada a hora de partir para casa, em dois pequenos batéis, perdido que estava o navio onde vieram *. Uma das cartas é colocada na chaminé da casa, cada uma das outras vai em cada um dos batéis. Treze de Junho. A água está aberta. Os pequenos barcos partem. Dezasseis de Junho. Barents diz a de Veer: Gerrit, estamos no Cabo de Gelo, levanta-me, tenho que vê-lo uma vez mais *.
Quatro dias depois, a caminho de casa, o grande explorador viveria a sua última hora, ali no mar que tomaria o nome seu.


Adaptado de The Three Voyages Of William Barents to the Arctic Regions(1594, 1595, 1596), de Gerrit de Veer, Ed. Elibron Classics, 2005 (fac-símile da edição de 1876 da Hakluyt Society).
 
posted by Eduardo Brito at 22:38 | Permalink |


0 Comments:


eXTReMe Tracker